2020 é um ano que vai ficar na história! Mas nem tudo são notícias ruins nesse período tão atípico! 

O mercado vinícola tem muito a comemorar, com um aumento expressivo do consumo de vinho entre os brasileiros durante o período da pandemia! 

Entenda, nesse artigo da DiVinho, o cenário do vinho na pandemia e como o aumento do consumo fez dele a bebida oficial da quarentena! 

Novos Hábitos entre os Consumidores

Novos Hábitos
Novos Hábitos

A pandemia do Covid-19, o Coronavírus, que espalhou-se pelo mundo a partir de fevereiro de 2020, trouxe muitas mudanças.

Novos hábitos, como o uso de máscaras, para a proteção da boca e do nariz, e de álcool gel para higienização das mãos e objetos, entre outros.

Mas não foi só isso, a pandemia trouxe novos hábitos também para o comportamento do consumidor.

O advento da quarentena e o fechamento de lojas físicas e restaurantes, fez o consumidor brasiliero optar pelas compras on-line.  

O mercado de vinhos beneficiou-se bastante dessa mudança de hábitos.

Tanto que, hoje, o vinho é considerado a bebida oficial da quarentena!

Isso se deve a uma série de fatores. 

Primeiramente, o vinho é uma bebida que pode ser apreciada quando se está sozinho. Diferentemente de destilados, como a vodca, que são mais consumidos em festas e clubes.

Além disso, o vinho é a bebida ideal para acompanhar as refeições. 

Vinho em Casa
Vinho em Casa

Durante a pandemia cada vez mais pessoas adquiriam o hábito de cozinhar em casa, e uma taça de vinho é a companhia ideal para qualquer prato.

Observou-se, também, que muitas pessoas que só bebiam vinhos em bares e restaurantes começaram, durante a pandemia, a apreciar a bebida em casa.

Assim, cada vez mais brasileiros estão comprando vinhos on-line, para abastecer suas adegas em casa e essa é uma tendência que tende a ganhar ainda mais força nos próximos anos! 

Consumo Per Capita de Vinho

Cerveja X Vinho
Cerveja X Vinho

O Brasil é um país onde ainda se consome pouco vinho. 

A cerveja é a favorita entre os consumidores brasileiros.

Segundo a Associação Brasileira da Indústria de Cerveja, o brasileiro consome 14,1 bilhões de litros de cerveja, o que representa cerca de 61% do mercado de bebidas alcoólicas.

Já o vinho é responsável por apenas 3,4% desse mercado.

Quando comparado a países da Europa, o consumo de vinho per capita ainda é bastante inferior.

Em Portugal, um dos maiores países produtores e consumidores de vinhos do mundo, a média de consumo per capita no ano de 2018 ficou em 62 litros.

Já o Brasil, no mesmo período, teve um consumo per capita de apenas dois litros.

Entretanto, as mudanças de hábitos dos consumidores brasileiros durante a pandemia trouxeram boas notícias.   

A Ideal Consulting, empresa de auditoria de importação e inteligência de mercado especializada em bebidas, projeta que o consumo de vinho per capita no Brasil alcance 2,8 litros até o final de 2020.

O aumento das vendas no setor é bastante significativo. Entre janeiro e agosto de 2020 foram 313,3 milhões de litros de vinho consumidos pelos brasileiros.

O que representa um aumento de 37% em relação ao mesmo período do ano passado.

Oportunidade para os Vinhos Nacionais

Vale dos Vinhedos
Vale dos Vinhedos

O ano de 2020 também trouxe uma ótima oportunidade para o mercado de vinhos nacionais.

Com o aumento da cotação do dólar, que chegou à R$ 5,90 no mês de maio, os vinhos nacionais tornaram-se mais competitivos.

A fatia ocupada pelos vinhos finos brasileiros cresceu 93% entre janeiro e agosto de 2020, quando comparado ao mesmo período do ano anterior.

Entretanto, esse é um mercado que ainda tem muito a crescer. Já que os vinhos finos brasileiros representam apenas 7% do total.

Os vinhos de mesa, aqueles produzidos com uvas de mesa, dominam o mercado, sendo responsáveis por 65% de todos os vinhos consumidos no Brasil.

Com a queda do consumo dos vinhos finos importados, de 32% para 28%, nos primeiros nove meses de 2020, é o momento ideal para as vinícolas nacionais conquistarem de vez os consumidores brasileiros. 

Cada vez mais, o Brasil está produzindo vinhos finos que rivalizam em qualidade com os melhores exemplares internacionais.

O Vale dos Vinhedos, no Rio Grande do Sul, é o maior polo vitivinícola no Brasil, com produtores como a Vallontano Vinhos Nobres, do enólogo Luís Henrique Zanini.

A Vinícola Guaspari, produtor de vinhos de reconhecimento internacional, é a um dos grandes responsáveis por fazer do município de Espírito Santo do Pinhal uma verdadeira “Toscana Brasileira”.

E não para por aí, o Brasil ainda tem muito mais a oferecer no mercado dos vinhos finos!

Basta o consumidor brasileiro dar uma chance aos rótulos nacionais.


Você encontra os melhores vinhos do Brasil e do mundo na DiVinho! E você, está bebendo mais vinho durante esse período de isolamento?