Priorato

Priorato

Priorato / ESPANHA

Apresentação

PRIORATO

Situada na província de Terragona, na Catalunha – bem ao sul de Barcelona -, a região do Priorato é, de verdade, um tesouro de vinhos tintos – e que tintos! Seus vinhos são robustos, com aromas frutados e minerais irresistíveis e cheios de sabor. Sem dúvida, trata-se de uma das mais interessantes regiões vitivinícolas de toda a Espanha. Fique de olho no Priorato!

Apesar de abrigar vinhedos desde a Idade Média – foram monges vindos da Provence, na França, que plantaram as primeiras videiras nestas terras “abençoadas”, no século XII –, apenas nas últimas décadas é que a região espanhola do Priorato apareceu nos holofotes do mundo do vinho, com seus tintos ocupando lugar de honra entre os melhores do mundo. Como aconteceu com muitas regiões vitivinícolas europeias, Priorato sofreu com a praga filoxera e seus vinhedos foram praticamente abandonados. Alguns agricultores tradicionais e – ainda bem! – “teimosos” permaneceram na região e, pouco a pouco, a produção local foi sendo retomada, mas sem tanto alarde. Mesmo assim, em 1932, Priorato ganhou o reconhecimento oficial de DO, ou seja, Denominación de Origen (Denominação de Origem) – hoje ela é reconhecida como DOCa – Denominación de Origen Calificada (Denominação de Origem Qualificada).

No entanto, Priorato tomou um rumo radicalmente novo e glorioso no final da década de 1980, quando um grupo de enólogos espanhóis renomados e irreverentes, capitaneados pelo produtor René Barbier, “invadiu” a região com o objetivo de criar vinhos únicos. Foram eles os responsáveis pela fama repentina e estrondosa dos vinhos do Priorato. Eles chegaram com ideias e técnicas novas: uso de barricas francesas para o envelhecimento dos vinhos; introdução de castas internacionais, como a Cabernet Sauvignon, Cabernet Franc, Syrah, Merlot e Pinot Noir – sem abrir mão das locais: Garnacha (Grenache), Cariñena/Mazuelo (Carignan) e Tempranillo. Em pouco tempo, os tintos desta turma caíram nas graças dos críticos internacionais e chacoalharam panorama mundial do vinho. As uvas brancas, apesar de em menor quantidade, também têm vez no Priorato: Garnacha Blanca, Macabeo, Pedro Ximénez, Chenin Blanc, Moscatel de Alejandría, Moscatel de Grano Menudo, Blanquilla, Picapoll Blanc e Viognier.

VITICULTURA HEROICA

Como um anfiteatro rodeado de montanhas, a pequena e bela região do Priorato é uma zona de clima árido, com verão quente, banhado pelo sol do Mediterrâneo, e inverno frio. A amplitude térmica entre dia e noite é enorme durante o período de maturação das uvas, o que é ótimo para a produção de vinhos de alta qualidade. Mas seu maior trunfo é, inquestionavelmente, o solo pedregoso, conhecido como “licorella”. Ele é formado por pedras em formato de lâmina e cor cobre escura – as raízes das videiras “cavam” caminho entre as pedras até a profundidade em busca de água e nutrientes. Este fator é determinante para a identidade dos vinhos do Priorato, que são concentrados, maduros e com camadas de aromas, com destaque para notas minerais.

A olho nu, parece uma ousadia humana produzir vinhos neste território inóspito, tanto que costuma-se dizer que a viticultura ali é “heroica”. Quem sabe-sabe que se trata de uma paisagem, simplesmente, perfeita para cultivar videiras e elaborar, principalmente, vinhos tintos de qualidade superior. Os vinhedos ocupam terraços moldados nas encostas das montanhas preenchendo 1.887 hectares que vão dos 100 metros aos 750 metros de altitude, sendo cultivados por mais de 600 viticultores, ou seja, é uma região vitivinícola bastante fragmentada. O rendimento é muito baixo – não ultrapassa 1 quilo de uva por videira, em média!  Todos esses fatores somados fazem do Priorato um verdadeiro tesouro do mundo do vinho.

Produtos da região de priorato