PORTUGAL

PORTUGAL

Portugal

Apresentação

O brasileiro tem um caso sério de amor com os vinhos portugueses – e é amor antigo. Os primeiros vinhos que desembarcaram nos trópicos vindos de além-mar chegaram com a esquadra de Pedro Álvares Cabral. Afinal, durante a travessia, era necessário celebrar a missa e, além disso, naquela época o vinho era tido como um alimento e uma bebida sã – mais pura que a água. Segundo o livro Presença do Vinho no Brasil, de Carlos Cabral, os vinhos trazidos pelos descobridores haviam sido produzidos no Alentejo, em uma propriedade chamada “Pêra Manca” – quem conhece vinhos portugueses já associou o nome a uma das mais cobiçadas marcas portuguesas da atualidade. O Vinho do Porto também “viralizou” por aqui no passado. Entre 1880 e 1884, 41% das exportações de Porto tinham como destino o Brasil! A reputada casa Ramos Pinto, com sua propaganda impactante, foi  fundamental para esse tremendo sucesso.

 

Escolhas certeiras

Durante um bom tempo, a gente classificava os vinhos portugueses em duas categorias: aqueles de elite, caros e desejados; e um mar de vinhos ordinários e baratos. Recentemente, esse cenário passou por bem-vindas mudanças: os vinhos cobiçados mantêm seu inabalável status, atraindo novos integrantes para a turma. Os vinhos baratos estão cada vez melhores e são compras seguras para quem não quer gastar muito no dia a dia. Mas a mais festejada novidade é a estreia de vinhos maravilhosos por preços razoáveis, que valem o investimento. Resultado:nunca os vinhos portugueses estiveram tão na moda como agora.

 

Os atuais influenciadores do mundo do vinho – os críticos das publicações especializadas mais respeitadas – têm publicado muitos elogios econcedido pontuações impressionantes para os rótulos portugueses nos últimos anos. Eles são, frequentemente, apresentados como as melhores descobertas do momento. Isso tem a ver com um incremento sem precedentes da qualidade dos vinhos. Os produtores portugueses hoje conhecem melhor seus inúmeros terroirs – o país é pequeno, mas tem uma grande diversidade de topografias, climas e solos — e estão conseguindo produzir tintos e brancos fantásticos, capazes de expressar o seu lugar de origem.

 

Também é de tirar o chapéu à arte de vinificação, que agregou modernidade sem deixar de lado a tradição na elaboração dos vinhos, como é o caso da fermentação em lagar. E não dá para deixar de mencionar a imensa variedade de uvas nativas que Portugal tem a disposição. Por isso, o país também é celeiro de estilos de vinhos distintos – é o berço do inimitável Vinho do Porto, do Madeira, do doce Moscatel de Setúbal, do Vinho Verde… Para qualquer pessoa que queira aprimorar seus conhecimentos no mundo do vinho, experimentar as criações portuguesas é lição obrigatória.

 

Principais regiões

Douro é o berço do histórico Vinho do Porto e, nas últimas décadas, seus deliciosos tintos e brancos, cheios de caráter, estão roubando a cena. O Alentejo aparece como o celeiro de vinhos de imbatível relação qualidade-preço, há ótimas pechinchas por lá, mas também vinhos de alto nível. Na região dos Vinhos Verdes, brilha o branco de mesmo nome, que é leve e vibrante. O Dão e a Bairrada são regiões clássicasque também têm passado por uma empolgante reinvenção de seus vinhos. Na Ilha da Madeira se produz outro cultuado vinho fortificado, a partir de um processo muito peculiar. Por último, vale a pena prestar atenção nos exemplares do Tejo e Lisboa – são, em geral, tintos e brancos redondos, que conquistam como boas compras.

 

O que há de melhor para você garimpar

* Tintos topo de gama do Douro.

* Vinho do Porto Ruby, Tawny, Reserva e LBV.

* Vinho Verde branco para o verão.

* Boas compras no Alentejo, Setúbal, Tejo e Lisboa.

Regiões da Portugal:

Produtos do país