Vinho Château Petrus – Um verdadeiro mito

Imagem post
Compartilhe seus produtos escolhido

Presença garantida nas listas dos vinhos mais caros do mundo, o Petrus é uma verdadeira lenda. Disputado por colecionadores, uma garrafa da safra de 1982 conquistou o impressionante valor de 45 mil libras em um leilão realizado em Londres. Mas o que faz esse exemplar de Bordeaux ser considerado como um rei entre os vinhos? Ficou curioso? Então continue lendo esse artigo que nós, da DiVinho, preparamos para você!

Château Petrus

Conta-se que Petrus seja um dos primeiros vinhedos de Pomerol, na margem direita de Bordeaux. A propriedade onde está localizado o Château pertencia à família Arnaud desde o século XVIII, mas só ganhou destaque no mundo dos vinhos com o advento da crise da praga filoxera, que dizimou vinhedos em toda a Europa.

Em 1878, após o replantio dos vinhedos em Bordeaux, o Petrus foi premiado com a Medalha de Ouro no Concurso Internacional de Paris, o que contribui para a elevação do seu preço.

No ano de 1917 a família Arnaud fundou a La Société Civile du Château Petrus (Sociedade Civil do Château Pétrus) disponibilizando no mercado as ações da empresa. Parte das ações foram adquiridas por madame Marie-Louise Loubat, viúva do Hotel Loubat de Libourne.

Mais tarde, o restante das ações foram adquiridas pelo comerciante Jean-Pierre Moueix, que assumiu a produção dos vinhos a partir dos anos quarenta. Uma safra excepcional de 1945 trouxe notoriedade para o Petrus em solo americano.

Quando, em 1956, fortes geadas atingiram os vinhedos de Pomerol o Château Petrus tomou uma decisão diferente dos seus vizinhos, ao invés de realizar o replantio optou por fazer um profundo corte nas plantas. As antigas vinhas acabaram se recuperando de forma impressionante, renascendo mais fortes do que nunca.

Em 1961 Lily Lacoste-Loubat e Monsieur Lignac, sobrinhos de Marie-Louise Loubat, herdaram a propriedade. Nesse mesmo período os enólogos Émile Peynaud e Jean-Claude Berrouet foram contratados para prestar consultoria a vinícola.

Jean-Pierre Moueix acabou por adquirir as ações de Lily Lacoste-Loubat e Monsieur Ligna, tomando total controle da propriedade no ano de 1969. A essa altura o vinho já tinha caído no gosto do clã Kennedy, sendo um dos rótulos favoritos do presidente John Kennedy.

A fama do Petrus foi alçada a um novo patamar em 1982, quando o crítico Robert Parker conferiu ao rótulo notas altíssimas. A partir daí o Petrus passou a ser conhecido como o “Rei do Pomerol”.

Após a morte de Jean-Pierre, em 2003, seu filho Jean-François Moueix herdou o Château Petrus. Em 2008, o enólogo Olivier Berrouet, filho de Jean-Claude Berrouet, assumiu a frente da produção, realizando diversas modernizações nas adegas.

Boutonnière Pétrus

Os vinhedos do Château Petrus cobrem uma área de 11,5 hectares, em um solo único formado por três camadas a 40 metros do nível do mar, conhecido como Boutonnière Pétrus (Botão Petrus).

A primeira camada do solo é de cascalho, a segunda é de uma argila densa e rica em matéria orgânica. O segredo está na terceira camada, de argila azul. Essa combinação é única ao terroir do Château Petrus, não sendo encontrada em nenhum outro vinhedo.

A argila azul apresenta uma grande concentração de óxido de ferro, endurecendo tanto quanto uma pedra, impedindo as vinhas de aprofundar suas raízes. Os frutos, dessa maneira, acabam ficando mais concentrados e retém mais umidade. A casta Merlot encontra seu terroir ideal nesse cenário, produzindo frutos com alto teor tânico e qualidade indiscutível.

Éclaircissage

O Château Petrus é um dos pioneiros na adoção da técnica éclaircissage, que consiste em cortar estrategicamente alguns frutos no início da frutificação, permitindo, assim, uma maior concentração nos frutos restantes.

A colheita das uvas é manual, realizada no período da tarde para proteger os bagos da umidade da manhã. Uma parte do mosto é transferida para cubas de cimento, onde durante 18 a 25 dias ocorre a fermentação alcoólica em temperatura controlada.

Segue-se então a processo de fermentação malolática e de clarificação, não sendo filtrado. Por fim, o vinho matura em barricas novas de carvalho francês por um período que varia entre 22 e 28 meses.

A produção do Petrus é considerada como baixíssima, de 30 à 50 mil garrafas ao ano. Sendo que, desse total, cerca de 40% ficam na França, com o restante sendo distribuído nos mercados americano, inglês e asiático.

Com uma demanda muito superior à oferta, os exemplares são extremamente disputados em leilões. Como a garrafa imperial de seis litros do Château Petrus 1982 arrematada pelo valor 45 mil libras por um colecionador asiático durante um leilão realizado pela companhia Bordeaux Index.

Recomendação da DiVinho

Vinho tinto Château Petrus 2000

Com impressionantes 100 pontos na classificação do renomado crítico Robert Parker esta safra de Petrus faz jus a sua fama – é um vinho tinto rico em aromas de fruta madura e carnuda, como framboesa, evoluindo para notas de especiarias e chocolate.

Concentrado, estruturado e com taninos finos, destaca-se pela extraordinária elegância e pureza da cepa Merlot. Ideal apreciá-lo após dez anos de garrafa, mas o vinho tinto Petrus tem capacidade para evoluir por décadas. É o companheiro perfeito para carnes e pratos de alta gastronomia.

Você encontra os melhores vinhos na DiVinho! Surpreenda-se com nossa variedade e adquira os melhores rótulos pelo melhor preço!

0 comentários
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *