Vinho Tinto Renato Ratti Dolcetto D´alba Colombè 2014

Vinho Tinto Renato Ratti Dolcetto D´alba Colombè 2014

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars Loading...

O Vinho Tinto Renato Ratti Dolcetto D´alba Colombè é mais um grande rótulo que leva a assinatura de Renato Ratti, um dos mais renomados produtores do Piemonte. Produzido com a uva Dolcetto, apresenta coloração rubi intensa com reflexos violáceos. No nariz revela aromas de frutas vermelhas maduras, como cereja e ameixa. Um Vinho Italiano fresco e balanceado. No nariz conta com boa estrutura tânica e um final longo e persistente.

 

País: ITÁLIA Itália
Região: Piemonte
Produtor: Renato Ratti
Uva: Dolcetto
Tipo: Tinto
Teor alcoolico: 12,5%
Tamanho da garrafa: 750ml
Temperatura de serviço: 16°C a 18°C


Em até 3x de R$66,33 s/ juros

Piemonte
Piemonte

Vinificação

Produzido com a uva Barbera, oriunda de vinhedos da região vitivinícola do Piemonte, na Itália. As uvas passam pelos processos de desengace, fermentação alcoólica sob temperatura controlada de 28°C e fermentação malolática completa. A maceração dura um período médio de cinco dias. O vinho estagia em tanques de aço inox por vários meses.

Harmonização

Um rótulo versátil, acompanhando bem antepastos, massas ao sugo, risotos e queijos frescos.

Sobre a vinícola

Renato Ratti é um dos grandes nomes do Barolo e do vinho italiano como um todo. Nascido em 1934, após estudar enologia em Alba, no Piemonte, decidiu emigrar para terras desconhecidas e ganhar experiência. O Brasil foi o destino escolhido e em pouco tempo se tornou encarregado da produção de vermutes e espumantes da vinícola italiana Cinzano. Os dez anos de trabalho no Brasil garantiram a Ratti uma visão inovadora, que caracterizou seu trabalho posterior de volta nas colinas de Langhe, região do Piemonte. Em 1965 Renato retorna ao Piemonte e compra a sua primeira vinha para a produção de Barolo: um pequeno lote na zona histórica de Marcenasco, logo abaixo da Abadia de L'Annunziata, a Nossa Senhora da Anunciação, em La Morra. No ano de 1969, seu sobrinho, Massimo Martinelli, começa a trabalhar na vinícola. Juntos, Ratti e Martinelli, aperfeiçoaram a técnica de vinificação, maturação e refinamento para o Barolo Marcenasco, com objetivo de obter elegância, sutileza e longevidade digna desta variedade. Após a morte prematura de Renato Ratti em 1988, seu filho Pietro, assumiu o comando da vinícola, dando continuidade a missão de vinificação e refinamento iniciada por seu pai em 1965, a de manter como único propósito o espírito de respeito pelas uvas e vinhas de origem.