Vinho Verde Camaleão Loureiro & Alvarinho 2016

Vinho Verde Camaleão Loureiro & Alvarinho 2016

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars Loading...

Duas típicas castas da região dos Vinhos Verdes compõem o Vinho Verde Camaleão Loureiro & Alvarinho, que leva a assinatura de João Cabral de Almeida, considerado um dos mais talentosos enólogos portugueses da nova geração. Ele selecionou as uvas em diferentes terroirs da região, compondo este vinho branco delicado, cheio de fruta e frescor. O Camaleão Loureiro & Alvarinho remete a aromas de flor de laranjeira, pêssego e especiarias, e tem um final muito agradável. Uma atração à parte é a imagem do réptil estampada no rótulo, que muda de cor, de verde para azul, conforme a garrafa atinge a temperatura correta de serviço.

Pontuação: 92 pontos Robert Parker
País: PORTUGAL Portugal
Região: Vinhos verdes
Produtor: João Cabral Almeida
Tipo: Branco
Teor alcoolico: 12,5%
Tamanho da garrafa: 750ml
Temperatura de serviço: 8 a 11°C

Em até 3x de R$34,33 s/ juros

Vinhos verdes
Vinhos verdes

Vinificação

As uvas Alvarinho e Loureiro são colhidas em terroirs selecionados na região dos Vinhos Verdes. Elas seguem uma vinificação tradicional em cubas com controle de temperatura. O vinho não tem contato com a madeira, expressando o caráter frutado e fresco das respectivas castas.

Harmonização

Peixes, carnes brancas e frutos do mar.

Sobre a vinícola

Inserido numa família com tradições vitivinícolas, o jovem enólogo João Cabral de Almeida não para quieto. Nas consultorias que dá, vive percorrendo os vinhedos de Portugal, de norte a sul, de leste a oeste. E assim vai descobrindo muitas coisas interessantes pelo caminho e aprendendo um pouco mais sobre as centenas de castas presentes no país mais ocidental da Europa. E ele não se contenta apenas em observar, faz também muitos experimentos para captar a expressão das diferentes variedades de uva nos mais diversos terroirs lusos. Em uma entrevista, João Cabral de Almeida revelou: “O que pretendo é engarrafar Portugal.” Seu projeto pessoal batizado de Camaleão tem esse propósito e já chama a atenção de críticos respeitados, desde o português João Paulo Martins à britânica Jancis Robinson e ao norte-americano Robert Parker. A cada safra, as vinhas que fornecem as uvas para seus vinhos é diferente, o que explica o “espírito camaleônico” desse elogiado projeto.