Uva Carménère: o sabor e a suavidade da uva que compõe surpreendentes vinhos chilenos

Imagem post

Conheça um pouco da história, características e os principais rótulos produzidos com esta nobre e saborosa uva

Os vinhos chilenos têm se destacado no cenário internacional por conta da sua qualidade, sabor e suavidade.

Atualmente, o país possui uma grande variedade na produção de diversos tipos de vinhos e já é considerado um dos mais importantes produtores da América Latina, principalmente por conta de uma de suas principais iguarias: a uva Carménère.

Uma preciosidade no mundo inteiro, a uva Carménère é capaz de produzir vinhos de primeira linha, com aromas e sabores que agradam paladares de diferentes nacionalidades.

Este tipo de vinha é considerada uma das mais potentes e carrega consigo uma história e características únicas, que fazem dos vinhos chilenos os mais interessantes e apreciados do mundo.

Muitos consideram a uva Carménère um presente de Bordeaux para o Chile. Isso porque, a fruta é originária da França, onde foi muito cultivada em meados do século XIX, nas regiões de Médoc e de Graves.

Porém, sua produção foi altamente dizimada por uma praga denominada “Filorexa”, que acometeu grandes vinhedos da Europa. Nesta época, o mercado de vinho foi drasticamente prejudicado por conta desta praga.

Antes disso, alguns imigrantes europeus trouxeram sem querer algumas mudas de Carménère para o Chile, que se adaptaram muito bem às condições climáticas locais, já que os vinhedos chilenos são protegidos por barreiras naturais como as cordilheiras dos andes e o deserto do Atacama.

Porém, a uva só foi redescoberta em território Chileno em 1994. Isso porque, cientistas locais queriam entender por que alguns pés de Merlot amadureciam antes que os outros em um vinhedo no Chile.

Por meio de um estudo genético, chegou-se a conclusão que se tratavam de Carménère e não de Merlot. 

uva carménère

Você também pode gostar de: Como escolher a taça de vinho mais adequada?

Principais Rótulos e Harmonização dos vinhos chilenos Carménère.

Você sabia que os vinhos da uva Carménère possuem uma acidez mais acentuada, com sabor forte, expressivo e de taninos médios?

Por conta disso, sua harmonização pode ser feita com carnes vermelhas, peixes robustos como o Dourado, uma boa massa como lasanha à bolonhesa e também o cordeiro assado, sendo este último utilizado na combinação com vinhos chilenos, conforme algumas opções abaixo:

  • O vinho tinto Errazuriz Max Reserva Carménère – 2014 é rico e saboroso e possui um final persistente e refrescante. Na boca, são evidentes as notas de chocolate e café.
  • O saboroso vinho tinto Viña Carmen Insigne Carménère – 2016 combina ameixa, cereja e morango com um leve toque herbáceo, de pimenta preta e chocolate.
  • Considerado um Carménère intenso no nariz, o Vinho tinto Arboleda Carménère – 2015 possui notas que lembram figo maduro, frutas pretas, especiarias e tabaco. Tem boa concentração e persistência.

Carménère em francês significa carmim, já na língua portuguesa seu significado está diretamente associado à cor da pele desta uva, que apresenta uma tonalidade forte e exuberante de um vermelho intenso.

Sabe-se que alguns vinhos elaborados a partir desta casta apresentam grande poder de envelhecimento. Estima-se que algumas garrafas, se armazenadas corretamente podem durar cinco, sete e até dez anos.

Este tipo de uva necessita de cuidados especiais na hora de ser cultivada. Isso porque, trata-se de uma casta sensível, com longo tempo de amadurecimento e a necessidade de acertar o momento exato da colheita.

Em linhas gerais, o cultivo da Carménère bem como a comercialização do vinho exigem muita habilidade de todos os profissionais envolvidos no processo.

Veja também: Os erros mais comuns e as melhores dicas para um amante de vinho!

Principais regiões produtoras da uva carménère

O Chile é considerado um dos maiores produtores de vinhos e possui rótulos de primeira linha que são exportados para diversos cantos do mundo. O país se destaca por sua excelência na elaboração de vinhos altamente saborosos por meio de diversos tipos de uvas como a Merlot, Cabernet Sauvignon e é claro, a Carménère.

Os vinhos chilenos podem variar bastante devido à sua localidade. Algumas regiões são mais fortes no cultivo de uvas, enquanto outras têm seu diferencial na produção de vinhos.

Os principais Vales Chilenos hoje são: Aconcagua, Casablanca, Colchagua, Maule, Rapel, Maipo, Curicó e Limari.

O país possui cerca de 117.000 hectares de vinhas plantadas. Deste total, 75% é de uvas tintas e, destas, 50% são de Cabernet Sauvignon.

Por conta do clima propício, as diversas uvas são plantadas de forma bem ampla e pulverizada em algumas regiões do país. Cada local, possui as condições necessárias para o determinado tipo de cepa, conforme veremos a seguir:

Uvas Tintas

  • Syrah – Sub-região de Rapel especialmente em Colchagua e Aconcagua com ênfase em San Antonio.
  • Merlot, Cabernet e Carmenére – Sub-região de Maipo e Rapel
  • Pinot Noir – Sub-região de Bio-Bio e Aconcagua

Uvas Brancas

  • Riesling e Gewurtzraminer – Sub-região de Bio-Bio
  • Sauvignon Blanc e Chardonnay, as duas principais – Sub-região de Aconcagua com ênfase em Casablanca e San Antonio.

vinhos chilenos tipos de uva

Você sabe a diferença entre Carmènére e Merlot, Malbec e Cabernet?

Primeiramente, é preciso esclarecer que Cabernet, Merlot, Malbec e Carménère são consideradas castas de uvas tintas. Ou seja, são não os nomes dos vinhos, mas sim os tipos de uva utilizados em sua produção

A primeira delas, a Carménère é caracterizada por sua cor bem escura e um aroma intenso de frutas vermelhas, azeitonas e ervas, que resultam em uma combinação intrigante e ao mesmo tempo deliciosa. Quando jovens, as folhas desta uva possuem uma tonalidade avermelhada.

Também de origem francesa, a Malbec é uma casta cultivada em diversas regiões do mundo. Seu característico sabor lembra cerejas escuras, baunilha, violetas e até mesmo couro. De cor avermelhada, esta uva também produz outros tipos de bebidas, como espumantes em tons rosé.

De textura macia e adocicada, o Merlot possui aromas frutados (morango e ameixa), de florais (rosas e violetas), carvalho (cacau e tabaco) e especiarias como café e cravo. Este tipo de vinho harmoniza bem com carnes de porco, cordeiro e vaca, além de queijos como parmesão, brie e camembert e temperos como alho e cebola.

Por fim, o Cabernet é fruto do cruzamento natural da Cabernet Franc (tinta) com a Sauvignon Blanc (branca). Este vinho possui aromas de pimentão verde e pequenos toques de herbáceos, garantindo um sabor singular e inesquecível. Queijos maduros, pizzas, churrasco e hambúrgueres são excelentes companhias para o adorado Cabernet.

Todas estas castas de uvas são encontradas no Chile e algumas delas, como a Carménère são produzidas em países como Itália, Argentina, Estados Unidos e até mesmo o Brasil. Porém, esta uva continua sendo uma iguaria Chilena apreciada por muita gente.

Entre as mais variadas opções de vinhos chilenos, qual vai escolher hoje? Deixe nos comentários e aproveite para conhecer os rótulos da Divinho!

0 comentários
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *