Vinho frisante x espumante x prosecco x champagne: Você sabe a diferença entre estes vinhos?

Imagem post
Spread the love

Aprenda as características, os tipos de uvas, as dicas de harmonização e os melhores momentos para apreciar os diferentes vinhos borbulhantes

Você já se perguntou por que alguns tipos de vinhos são tão saborosos e irresistíveis, como os frisantes e os espumantes – estes englobam os prosecco do nordeste da Itália, cava espanhola e champanhe (ou  champagne, como se diz na França)?

Entretanto, existem algumas diferenças entre cada um deles, desde a casta, ou seja, a variedade de uva utilizada na sua elaboração, passando pelo processo de produção, envelhecimento, teor alcoólico etc.

Além disso, seus aromas e sabores são bem específicos e distintos, com variação na acidez e frescor, causando alterações às vezes imperceptíveis no paladar, principalmente para os iniciantes no mundo do vinho.

E você? Ficou interessado no assunto? Então, veja as principais diferenças entre eles.

vinho frisante dicas

1) Vinho Espumante

Todos os vinhos – tintos, brancos, rosés… – passam por um processo de fermentação alcoólica, no qual a levedura transforma o açúcar presente na uva em álcool.

Entretanto, os espumantes possuem uma característica só deles: são submetidos a uma segunda fermentação alcoólica e, durante esse processo, há liberação de gás carbônico que fica retido na bebida. É assim que nascem as borbulhas dos espumantes.

Esta segunda fermentação alcoólica tem como objetivo o frescor e a intensidade da efervescência, resultando na espuma e nas borbulhas, que é o charme tão especial dos espumantes.

A maior parte dos vinhos espumantes são produzidos na França (os mais famosos e cobiçados são os champagnes), entretanto, devido ao seu sucesso, vinícolas de países como Itália, Espanha, Brasil, Alemanha, EUA, África do Sul, Austrália, Argentina e Chile começaram  a produzir esta bebida tão festejada.

São considerados espumantes o vinho champagne (França), lambrusco (Itália), cava (Espanha) e também o prosecco (Itália).  Existem os mais doces (moscáteis, asti, prosecco) e os também os brut ou nature que possuem menor grau de açúcar residual.

Veja também: Kit Vinho – Esse pode ser um presente inesquecível!

2) Champagne

“Meu único arrependimento na vida é não ter bebido mais champagne” ,  dizia o economista inglês John Maynard Keynes.

Considerado um espumante de altíssima qualidade com aromas e sabores para especialista nenhum botar defeito, o champagne é o vinho espumante produzido unicamente na região francesa de Champagne, no norte da França.

Outra característica própria do champagne é que ele é produzido por meio de segunda fermentação do vinho na garrafa. Todo o champagne segue essa regra. Vinhos de outras regiões do mundo podem “copiar” o mesmo método e, então, dizem que sua produção segue o “método tradicional” ou “método clássico”.

A região de Champagne localiza-se a mais ou menos 150 Km a nordeste de Paris. Com um clima predominantemente frio e úmido, é o terroir ideal para o cultivo das três castas principais que compõem a bebida.

São elas: as tintas Pinot Noir e Pinot Meunier (das quais se faz um vinho branco) e a branca Chardonnay. As uvas tintas garantem à bebida um caráter mais austero, encorpado e com aromas de frutas vermelhas.

Já a inesquecível Chardonnay confere maior suavidade, cremosidade e elegância.

O Champagne possui acidez e leveza na medida certa e é considerado o espumante  perfeito para abrir o apetite.

Frutos do mar, como lagosta e camarão, além de salmão harmonizam muitíssimo bem com champagnes Blanc de Noir. Já as carnes brancas, queijos e canapés caem bem com espumantes mais secos e mais ácidos.

Outro espumante que faz muito sucesso entre os sommeliers, amantes de vinhos e iniciantes é o prosecco. Veja a seguir, as principais características e sabores desta famosa bebida.

3) Prosecco

Prosecco é o nome da uva branca que dá origem a este espumante italiano e também da denominação de origem na qual é elaborado.

Após algumas mudanças na legislação, a uva do Prosecco passou, em 2009, a se chamar Glera, estando sua área de cultivo localizada no Nordeste da Itália, na subregião denominada Prosecco que abrange cinco províncias do Vêneto e quatro de  Friuli Venezia Giulia.

Você sabia que o Prosecco deve conter no mínimo 85% de Glera em sua produção? A denominação de origem permite que a Glera seja misturada a outras quinze uvas cultivadas também na região, entre elas, Lunga, Chardonnay e Pinot Bianco.

Todas essas uvas devem sempre ser vinificadas em branco, uma vez que o prosecco não permite exemplares do tipo tinto ou rosé. Esta bebida é elaborada, em geral, pelo método Charmat.

Mas o que é isso? É simples. Significa que a segunda fermentação alcoólica é realizada em grandes tanques pressurizados e sob sur lie (contato com as borras), o que ajuda a tornar o espumante mais macios na boca.

Uma boa taça de prosecco combina com pratos de média intensidade, como carnes de porco, camarão e frutos do mar. Prosecco também fica ótimo com curry picante e cozinha asiática.

Não deixe de ver: Vinho tinto ou branco – Você realmente sabe a diferença?

tomando vinho frisante

 

4) Vinho Frisante

Trata-se de uma bebida que não é classificada nem como espumante nem como champagne, principalmente pelo fato de possuir uma dose menor de gás carbônico.

Sua produção envolve apenas a primeira fermentação alcoólica das uvas, o que difere das outras bebidas vistas anteriormente. Portanto, pode-se afirmar que o frisante é obtido na pré-produção de um espumante.

Ele contém, praticamente, metade do teor de gás carbônico em comparação aos espumantes, o que resulta em seu toque leve, sutil e discreto.

O lambrusco (da região italiana de Emilia-Romagna), por exemplo, pode ser elaborado dessa maneira, garantindo um toque todo especial no paladar. É um vinho facilmente encontrado, assim como outros frisantes de diversos países produtores, como Brasil, França, Alemanha e Portugal.

Sabe-se que uma das principais características do vinho frisante é a sua leveza e frescor. Por conta disso, recomendam-se refeições leves para a harmonização, como frutas, sobremesas, quiches e suflês.

Queijos embutidos, patês, amêndoas e nozes em geral também são uma boa pedida na hora de beber este vinho. Frutos do mar, ceviche e peixes grelhados darão um toque especial ao jantar.

Agora que você já aprendeu as diferenças entre o prosecco, champagne, espumante e frisante, que tal preparar aquele seu jantar preferido e escolher uma dessas preciosidades em uma loja de vinhos online? Separe uma boa taça e bom apetite!

0 comentários
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *