main product photo

Vinho Tinto Garzón Petit Clos Cabernet Franc 2017


Sobre o Vinho
A uva Cabernet Franc vem se tornando uma das estrelas dos vinhos uruguaios e uma das melhores versões é este vinho tinto: Garzón Petit Clos Cabernet Franc, da badalada vinícola Garzón. As uvas são selecionadas numa parcela especial de vinhedo, com influência do Oceano Atlântico. Isso repercute no estilo elegante e maduro deste Cabernet Franc. No nariz, o Garzón Petit Clos desperta aromas de frutas vermelhas e pretas, como cerejas, amoras e ameixas, além de notas de especiarias (pimenta preta e cravo-da-Índia), toques terrosos, de tabaco, chocolate e couro. É um vinho tinto encorpado, com taninos firmes e uma acidez marcante.
Em estoque
De R$438,00 Por
R$389,00
Em até 3x de R$129,67 s/ juros
Consultar Valor do Frete
Colhidas em uma parcela específica de vinhedo, as uvas Cabernet Franc fazem a vinificação em tanques de concreto. No final, o vinho matura em grandes barricas de carvalho francês durante doze meses.
Carnes vermelhas grelhadas e assadas com molhos ricos, preparações à base de cordeiro, carnes de caça, massas com ragus de carne, preparações à base de funghi, além de embutidos e queijos maduros.
Pertencente ao Grupo Agroland e fundada pelo argentino Alejandro Bulgheroni, a Bodega Garzón representa o que há de mais moderno no cenário vitivinícola do Uruguai – e de toda a América do Sul. Seu edifício de 19 mil metros quadrados foi concebido segundo as mais rigorosas normas sustentáveis, com certificação LEED (Leadership in Energy & Environmental Design). O processo de vinificação é guiado por um sistema de gravidade e utiliza tecnologia de ponta, consumindo 40% menos energia que outras bodegas da região. A propriedade possui mais de 240 hectares de vinhedos plantados com onze cepas brancas e tintas e fica próxima a Punta del Este, la Barra e Jose Ignacio – famosos pontos turísticos do país. Além disso, tem o Oceano Atlântico, a apenas 18 quilômetros de distância, como aliado -- as brisas marítimas que atingem os vinhedos ajudam na maturação lenta e plena das uvas. Seus vinhedos formam uma verdadeira colcha de retalhos de terroirs distintos, abrigando mil parcelas com altitudes, inclinações e solos diferentes – o que é ótimo para explorar o potencial de cada casta nos variados microclimas. A elaboração dos vinhos é monitorada pelo famoso enólogo italiano Alberto Antonini, que atua como consultor. No dia a dia dos vinhedos e da adega, somam forças o enólogo Germán Bruzzone e o engenheiro agrônomo Eduardo Félix.